• Fórum LGBTI+

65% dos profissionais LGBTI+ no Brasil já sofreram discriminação no trabalho, e 28% sofreram assédio

Atualizado: 22 de ago.

Pesquisa com 20 mil trabalhadores de todos os estados brasileiros e do Distrito Federal, de todas as faixas etárias, aponta que discriminação e assédio são direcionados à população LGBTI+, especialmente às pessoas trans e bissexuais;

Levantamento da consultoria Santo Caos também revela que essa parcela da população tem renda menor nas empresas do que aqueles que não são LGBTI+


Um estudo inédito realizado com empresas de todos os estados do Brasil, de diferentes setores da economia, revela que 65% dos profissionais LGBTI+ já sofreram discriminação no ambiente de trabalho, e 28% deles já foram assediados. O índice de casos de discriminação é ainda maior quando analisadas apenas as pessoas trans e bissexuais: 86% e 72%, respectivamente.


O levantamento, realizado pela consultoria Santo Caos, coletou informações de quase 20 mil trabalhadores de todas as faixas etárias entre novembro de 2020 e abril de 2022. O conteúdo está disponível gratuitamente para a população no site.


O Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+ participa do primeiro evento presencial da Santo Caos após 2 anos, em São Paulo, em apoio aos dados impressionantes sobre a realidade de pessoas LGBTI+ nas empresas dentro desse estudo. O evento contou com a participação de Reinaldo Bulgarelli, Secretário Executivo do Fórum que fala sobre o papel das empresas para a Promoção dos Direitos LGBTI+.

“Empresas com papel de transformar o mundo (...) precisam ser transformadas.”

No painel tivemos também a participação de Joseph Kuga, especialista em diversidade, que discursa sobre os cuidados que uma pessoa LGBTI+ precisa ter para atingir alta performance dentro de uma organização. Melissa Cassimiro, Advogada, especialista em Diversidade & Inclusão e Consultora de Projetos em Recursos Humanos.


O estudo aponta que 48% das pessoas LGBTI+ revelaram sua orientação sexual ou identidade de gênero para alguém no trabalho. Entre as pessoas trans, esse número cai para 40%. Enquanto 28% das pessoas LGBTI+ já sofreram assédio no trabalho, o índice é de 18% entre as pessoas que não fazem parte desse grupo.


Vale ressaltar, de acordo com a classificação do estudo, que discriminação compõe todo tipo de atividade preconceituosa, mesmo que velada, como ironias, piadas e insinuações jocosas. Assédio é o ato de ofender explicitamente alguém por conta de sua característica.


De acordo com os dados da pesquisa, a população LGBTI+ representa 10,4% (2.034 pessoas) do universo de 19.488 profissionais ouvidos ao longo de um ano e cinco meses. Esse público está menos disposto a recomendar a empresa onde trabalham do que aqueles que não são LGBTI+. Os números mostram que 40% dos entrevistados LGBTI+ recomendam o local de trabalho, enquanto esse índice atinge 59% entre aqueles que não são LGBTI+.


“O modelo de trabalho híbrido popularizado após o início da pandemia de Covid-19, com parte dos trabalhadores exercendo suas funções profissionais em suas próprias residências, vem avançando sobre a intimidade das pessoas, expondo aspectos que anteriormente não faziam parte da rotina de trabalho”, afirma Jean Soldatelli, sócio-diretor da Santo Caos.

“Nesse sentido, é necessário que as empresas se preparem de forma mais abrangente e consistente para promover o bem-estar dos colaboradores, ampliando suas iniciativas de diversidade e inclusão”, comenta Soldatelli.


LGBTI+ têm renda menor e ficam por períodos mais curtos nas empresas


O levantamento da Santo Caos mostra que 47% das pessoas LGBTI+ têm renda média abaixo de quatro salários mínimos, frente a 36% das pessoas que não fazem parte desse grupo. Em relação ao tempo de trabalho nas empresas, aqueles que se declararam LGBTI+ ficam aproximadamente 3,07 anos em uma companhia, ao passo que os não LGBTI+ permanecem em uma mesma empresa por mais tempo: uma média de 4,13 anos.


"A leitura dos dados nos permite inferir que a rotatividade maior da população LGBTI+ é consequência direta da discriminação e do assédio, que tornam o ambiente de trabalho mais tóxico para essas pessoas", comenta Jean Soldatelli, sócio-diretor da Santo Caos. "Essa informação trazida pelo estudo corrobora a urgência de ações que promovam diversidade e inclusão nas empresas, criando melhores condições para esse grupo manter suas atividades profissionais", finaliza.


Sobre a Santo Caos


A Santo Caos é uma consultoria que tem em seu portfólio mais de 100 clientes de diversos portes e setores, em projetos de diversidade & inclusão, engajamento, cultura organizacional e comunicação. Desde 2013, realiza estudos autorais e pesquisas pioneiras sobre temas como: engajamento das pessoas LGBTI+ nas empresas, equidade racial, pessoas com deficiência no mercado de trabalho, entre outros.


Sobre o Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+


Criado em março de 2013, o Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+ é um movimento empresarial com atuação permanente reunindo grandes empresas em torno de 10 Compromissos com a promoção dos direitos humanos LGBTI+. O propósito do Fórum é articular empresas em torno do compromisso com o respeito e a promoção aos direitos humanos LGBTI+ no ambiente empresarial e na sociedade. Além disso, o Fórum realiza eventos periódicos para compartilhar as melhores práticas das empresas signatárias, fomentar o respeito à diversidade sexual e identidade de gênero e abrir espaços para diálogos entre empresas e a comunidade, “10 Compromissos para a Promoção dos Direitos LGBTI+”, expressam o entendimento sobre o papel das empresas e uma agenda de trabalho. Conheça mais em: https://www.forumempresaslgbt.com/


175 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo